Notícias

LAHIN recebe doação de livros da professora Mônica Sillan de Oliveira

| Elton Silva

O Laboratório de História das Infâncias do Nordeste (LAHIN), recebeu da Professora Conteudista da Escola de Conselhos do Ceará e da Amazônia Legal, pelo Instituto Federal de Rondônia, Mônica Silan de Oliveira, a doação de mais dois livros para compor o seu acervo.

Confiram um pouco mias sobre os novos itens do acervo do LAHIN:

“Cada vida importa: Evidências e recomendações para prevenção de homicídios na adolescência” (2016)/ “Cada vida importa: Relatório Final do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência” (2016): Fortaleza, a quinta capital do Brasil em população, com 2,6 milhões de habitantes, tem o maior Índice de Homicídios na Adolescência (IHA). E o Ceará, a oitava unidade da federação mais populosa, com 8,9 milhões de moradores estimados em 2016, está em terceiro lugar entre os estados com mais mortes na faixa etária de 12 a 18 anos. Em 2015, 816 meninos e meninas de 10 a 19 anos foram mortos no território cearense, sendo 387 apenas na capital Fortaleza, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social. No entanto, a violência letal não se agravou de um ano para o outro. As estatísticas revelam que o problema se intensificou ao longo de mais de uma década, principalmente na adolescência. Há um desconforto com os números da violência, mas também com as interpretações disponíveis sobre a questão, ainda insuficientes ou carregadas de estereótipos. É preciso lançar luz sobre um cenário sombrio, analisar em detalhes um fenômeno que não está satisfatoriamente claro. O incômodo provocado pelas posições que o Ceará e Fortaleza ocupam no ranking de assassinatos de adolescentes levou a Assembleia Legislativa, o Governo do Estado e várias outras instituições do poder público e da sociedade civil a somarem esforços e expertises visando compreender esse fenômeno, por meio da criação do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. A criação do colegiado é uma tentativa de conhecer o problema em profundidade, fugindo de análises superfi ciais e deterministas, para propor recomendações aos diversos níveis de poder e à sociedade, cujos representantes foram acionados desde o início dos trabalhos. O Comitê é, portanto, uma instância de estudo, debate, mobilização e projeção, congregando diversos atores e instituições num esforço interinstitucional pela vida.


Voltar